BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
sábado, 28 de novembro de 2020

O
PCB, Partido que apresentou a candidatura de Paulo Camelo, fez uma análise sobre
o Pleito Eleitoral deste ano aqui em Garanhuns.
 

Para
os Comunistas de Garanhuns, a eleição de Sivaldo Albino (PSB) a Prefeito não
representa mudança. “
Sivaldo, Silvino, Zaqueu e Izaías eram aliados e hoje são adversários e vice-versa.
Portanto, a eleição de 
Sivaldo significa dizer que houve uma troca de “seis por meia
dúzia”, conforme dito popular”, observou o PCB, em texto enviado ao Blog por
Paulo Camelo.
 
 

Para o PCB, o fraco desempenho
de Paulo Camelo nas urnas deve-se ao “terrorismo
eleitoral”, criado, segundo o Partido pelo “pessoal do PSB e seus apoiadores”,
que teriam criado um “falso argumento de que a candidatura de Paulo Camelo
a Prefeito, poderia atrapalhar a candidatura de 
Sivaldo Albino,
favorecendo seu irmão direitista, Silvino Duarte”, observou.

“Tivemos
um bom desempenho eleitoral, com propostas, participação nas
entrevistas e debates, além do Guia Eleitoral e das Inserções no Rádio e no
Instagram, mas contraditoriamente o 
resultado  foi  muito modesto, seja pelo verniz
esquerdista que o PT deu a 
Sivaldo Albino, seja pelo terrorismo eleitoral. Contudo,
temos a consciência tranquila de termos cumprido nosso papel
político ao tentar contribuir com a conscientização das
classes trabalhadoras”, analisou o PCB, que esteve coligado com o PSOL na
disputa Municipal, em que o candidato Paulo Camelo ficou na 5ª colocação, obtendo
853 votos. Confira a Nota assinada pelo PCB na Íntegra clicando AQUI.   



NOTA do PCB
SOBRE AS ELEIÇÕES DO GARANHUNS E DA CIDADE DE RECIFE/PE
 

 

    Nestas eleições
municipais de 2020, o PCB fez uma aliança com o PSOL, com apoio da UP
(Unidade Popular) para lançar uma chapa para a Prefeitura
do Garanhuns/PE, com Paulo Camelo – Prefeito, e Cristina Oliveira –
Vice-Prefeita. Essa chapa nasceu do entendimento que seria, e foi,
fundamental apresentar aos nossos conterrâneos uma opção classista, uma
candidatura inequivocamente compromissada com os interesses das classes trabalhadoras,
haja visto que o PT capitulou, preferindo adotar sua política de conciliação de
classes, dando ao candidato do PSB, 
Sivaldo
Albino
um “verniz de esquerda” que
Ele não possui.  Os 
três  partidos, ao formarem a Frente
de Esquerda do Garanhuns/PE, entenderam que era fundamental uma proposta
política que contemplasse a  afirmação de outro projeto de
sociedade: Crítica ao Capitalismo, Defesa do Poder Popular e Defesa do
Socialismo”.
 


    Pensar
o município a partir da visão de uma esquerda socialista, que entende a gestão
municipal como um espaço para fortalecer a organização, mobilização e
consciência política das classes trabalhadoras, ou seja, da construção do Poder
Popular, e que enxerga na Prefeitura um papel de gestão
política direcionada para defender os interesses daqueles que produzem as
riquezas do nosso município, ou seja, os trabalhadores(as) do campo e da
cidade, combatendo a agressão ambiental, defendendo o patrimônio público,
restabelecendo o Hospital Municipal, implantando o Hospital de
Transição para combater a COVID 19, estatizando a AESGA, dinamizando
o Turismo, implantando as Cooperativas Urbanas e Rurais, dentre outros itens do
nosso já consagrado Programa de Governo. 
 


    O pessoal do PSB e
seus apoiadores criaram um “terrorismo eleitoral”   utilizando um falso argumento de que a
candidatura de Paulo Camelo a Prefeito, poderia “atrapalhar” a
candidatura de 
Sivaldo Albino,
favorecendo seu “irmão” direitista, Silvino Duarte. Convém lembrar que tanto
PCB, como PSOL e UP, não fazem parte da base aliada do governador “Paulo Câmara
Lenta”.  Mas, o nosso slogan de campanha “NEM O PASSADO COM ERA, NEM O
PRESENTE COMO ESTÁ, espelha bem o que vivenciamos, uma vez que
Sivaldo,
Silvino, Zaqueu e 
Izaías,
eram aliados e hoje são adversários e vice-versa. Portanto, a eleição de 
Sivaldo significa
dizer que houve uma troca de “seis por meia dúzia”, conforme dito popular.
 


    Tivemos
um bom desempenho eleitoral, com propostas, participação nas
entrevistas e debates, além do Guia Eleitoral e das Inserções no Rádio e no
Instagram (paulocamelo21), mas contraditoriamente o 
resultado  foi  muito
modesto, seja pelo “verniz esquerdista” que o PT deu a 
Sivaldo Albino,
seja pelo “terrorismo eleitoral”. Contudo, temos a consciência
tranquila de termos cumprido nosso papel político ao tentar
contribuir com a conscientização das classes trabalhadoras.
 


    Por outro
lado, aos desavisados e desinformados pode ficar parecendo que, na Cidade de
Recife, há uma disputa de centro-esquerda, mas não é difícil perceber que
não é isso. Já fazem muito tempo que o Partido Socialista Brasileiro (PSB)
não é um partido sequer de centro-esquerda, que dirá socialista. Como diria o
empresário Paulo 
Skaff,
que foi candidato a governador de São Paulo pelo PSB, o S do PSB é só uma
letra. 
 


    Em
2010 o PSB apoiou Aécio Neves na eleição presidencial. O PSB teve uma aliança
muito duradora com o PSDB em São Paulo.  
 


    E,
em 2016, o PSB nacional e 
Sivaldo Albino
em Garanhuns/PE, apoiaram o golpe contra a Ex-presidente Dilma 
Roussef, com o
agravante que aqui em Garanhuns o 
Sivaldo Albino  participou
de uma passeata pela cassação de Dilma e detonando o Ex-Presidente Lula, por
“corrupção”. A questão ali não era ser simplesmente oposição aquele governo.
Pois o PCB faz oposição de esquerda ao PT desde 2005. A questão foi que o golpe
foi dado exatamente para viabilizar a agenda ultraliberal que tem
desmontado a saúde, a educação, o meio ambiente, o emprego e pavimentado o
caminho para a 
ascensão do Bolsonarismo

 

    
Essa guinada à Direita também se reflete nas gestões do PSB nos governos do
Estado e das cidades de Pernambuco, em especial na Cidade de Recife.
 


    Neste segundo
turno, o PCB se coloca contra a candidatura do PSB não apenas por condenar a
gestão municipal liderada por Geraldo Júlio, mas por entender que a Prefeitura
da Cidade de Recife é uma trincheira relevante na luta eleitoral de 2022,
e que eleger o PSB em Recife tende a significar dar palanque para a extrema-direita,
seja Dória, Moro, Luciano Huck ou outro similar.
 


    Por isso, apesar
das divergências programáticas e da política equivocada de alianças ora
promovidas pelo PT,
convocamos a população
da Cidade de Recife para votarem no segundo turno, dia 29.11.2020, na candidata
da oposição, porém sem alimentar ilusões quanto aos seus limites: Votar no 13,
Marília Arraes Prefeita, coligação PT com PSOL, impedindo a continuidade  da política desastrosa que comanda a
Prefeitura da Cidade de Recife e dos ataques, ao estilo Bolsonarista, que os
simpatizantes do PSB fazem contra Marília Arraes e o próprio PT que não reage.