BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
domingo, 13 de dezembro de 2020

Em 12 de dezembro de 2007, o
radiojornalismo de Garanhuns sentiu, talvez, aquela que seria a sua maior
perda. Aluízio Alves, o homem da Ronda Policial, um dos programas de maior
audiência do Rádio até os dias atuais, faleceu no Hospital Monte
Sinai, vítima de uma parada cardíaca sofrida minutos antes na Emissora em que
trabalhou por décadas e logo após encerrar o Programa que apresentou durante
muitos anos. Aluísio já tinha infartado anteriormente. Era safenado e
sofria de hipertensão e diabetes.

Aos 61 anos chegava ao fim à
história de Aluízio, que deixou muitas saudades em Garanhuns, em Correntes,
terra onde nasceu, e em todo o Agreste Meridional. O seu Corpo foi sepultado,
num momento de forte comoção e perante uma multidão, no Cemitério São
Cristóvão, na Liberdade.
 


Há treze anos do seu
falecimento, Aluízio ainda é lembrado por seu espírito aguerrido de comunicar.
Sem medir às palavras, o Homem da Ronda era impiedoso com os meliantes e não
temia até mesmo os mais famosos bandidos da época. A classe política o
respeitava, sobretudo pelo seu poder de convencimento e pela sua forte
audiência. O Departamento Comercial da Rádio dificilmente tinha clientes em
atraso, já que os seus tradicionais “abraços” faziam com que os devedores logo
se lembrassem da necessidade de quitar as suas dívidas. 

Companheiros da Rádio,
a exemplo de Arlete Santos; Pinheirão; Carlos Gomes Costa, o Carlinhos; Jefson Fittipaldi;
Gildo Vilela, Adeilza Silva e Roberto Sampaio, dentre outros, sempre têm boas histórias para
contar do convívio com Aluísio Alves, assim como Maria Paula; Ariston Brito; Caubi
e Eduardo Peixoto.
 


Profissional com experiência
de sobra, que dirigiu a emissora por cerca de 20 anos. Aluízio chegou à rádio
em 1978 como Operador de Áudio. Antes de se consagrar na Ronda Policial,
foi repórter de rua e apresentador. Em 1985 se transferiu para a Rádio
Meridional, retornando pouco depois, em outubro de 86. Assumiu a Gerência da
Emissora em maio de 88 e faleceu, praticamente no estúdio da Casa que tanto amou.
“Aluízio fez muito pela Suíça Pernambucana e por tudo de bom que fez,
certamente tem um lugar garantido no céu”, registrou Eduardo Peixoto, que
conviveu durante cinco anos com o Mestre e assumiu a apresentação do Programa
‘que não tem Medo da Verdade’.
 

CLIQUE EM PLAYER E RELEMBRE
A INESQUECÍVEL VOZ DE ALUÍSIO ALVES: