w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | domingo, 24 de setembro de 2017

 
Um Ministro de um partido
aliado precisa ir do Instituto Ricardo Brennand, na Várzea, para um hangar no
Aeroporto do Recife, a 15 quilômetros de distância. A solução do Governo do
Estado foi pagar quase R$ 5,5 mil por um helicóptero fretado cujo único
passageiro foi o ministro da Integração, Helder Barbalho (PMDB), que
participava de uma reunião da Sudene em setembro do ano passado e queria chegar
rápido a Brasília.
Desde 2015, o governo Paulo
Câmara já gastou R$ 5,6 milhões com o aluguel de aeronaves. Entre janeiro e
junho deste ano foram R$ 1,3 milhão. Os voos de julho e agosto ainda estão com
os valores em tramitação no Portal da Transparência. No total, foram 119
viagens pagas pela atual Gestão. As agendas incluem reuniões com ministros e
empresários, vistorias de obras e até sessões solenes do Congresso Nacional ou
missas no interior.
Cada uma das 34 idas a
Brasília em avião fretado custa R$ 100 mil. Os trechos no Estado são mais
baratos. Variam entre R$ 19 mil e R$ 25 mil o desembolso para que o Governador voe
até os locais dos encontros do programa Pernambuco em Ação, em que apresenta as
ações realizadas pelo Governo. O projeto surgiu de uma cobrança para que Paulo
pudesse circular mais pelo interior do Estado no ano pré-eleitoral. Organizadas
pelo próprio Palácio, as agendas são marcadas com antecedência. Não raro, Paulo
Câmara costuma dar carona nos voos oficiais a deputados aliados, federais e
estaduais, além dos secretários das pastas.

Em maio, após as chuvas na
Mata Sul, o pernambucano fez questão de pousar em Maceió para levar a Brasília
o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB). Segundo a assessoria do Palácio do
Campo das Princesas, a orientação da Casa Militar é para que o Governador se
desloque apenas por meio de voos fretados. Ao assumir, Paulo Câmara teria
baixado uma determinação para optar preferencialmente por voos comerciais nas
viagens para fora do Estado e pelo deslocamento de automóvel dentro de
Pernambuco. O veículo é definido com base em critérios como a urgência da
agenda, a economicidade, a rapidez e a mobilidade.

O Governador já realizou 150
viagens administrativas para fora de Pernambuco. Dessas, 93 teriam utilizado
voos comerciais, segundo sua assessoria. Fora do Recife, foram 186
deslocamentos por meio de automóveis e 41 por meio de avião ou helicóptero.
(Com informações do Jornal do Commercio.
CONFIRA)