BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
quarta-feira, 29 de abril de 2020

O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (CREMEPE) divulgou uma recomendação com definição de critérios de prioridade de internação dos pacientes infectados com Coronavírus em unidade de terapia intensiva (UTI), na falta de leitos para atender a demanda terapêutica. 

A Recomendação de acesso a vagas de terapia intensiva leva em consideração a condição clínica do paciente, as doenças preexistentes (ou seja, àquelas diagnosticadas antes da infecção pelo Coronavírus) e a fragilidade – condição que tem implicações na qualidade de vida e na autonomia de cada pessoa. Essa recomendação foi feita no momento em que Pernambuco enfrenta uma franca aceleração da curva epidêmica de COVID-19, o que causa uma pressão imensa no sistema de saúde, com taxas de ocupação dos leitos de UTI no limite. 

“Nós não podemos interferir na política de saúde do Estado. Mas, diante do cenário de leitos insuficientes para a grande demanda de pacientes (com suspeita ou confirmação de COVID-19), podemos ajudar na tomada de decisão para priorização do acesso. Não estamos falando em fazer um corte por faixa etária, como fez a Itália. A nossa recomendação reúne três tipos de score para dar a decisão (ao médico) de que pacientes estão com maior necessidade de UTI e maior chance de sobrevivência”, explica o vice-presidente do CREMEPE, Maurício José de Matos e Silva.

“Encaminhamos a recomendação à à Secretaria Estadual de Saúde, Órgão que cabe avaliar essa nossa contribuição. A Secretaria deve se pronunciar, poderá usar totalmente a recomendação ou parte dela”, informa Maurício, ciente de que a missão do Médico de decidir o paciente que deve ser encaminhado a um leito de UTI, nesse cenário de esgotamento da rede, é extremamente difícil. “Parece cruel, mas alguém tem que fazer isso.”

Até ontem, dia 29, Pernambuco estava com uma taxa de ocupação de leitos de UTI num percentual crítico de 97%, ou seja, dos 367 leitos de UTI instalados em todo o Estado, restavam apenas 11 leitos disponíveis, informação que deve justificar a recomendação do CREMEPE. (Com informações de Cinthya Leite/JC. CONFIRA