w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | sexta-feira, 04 de setembro de 2020

Essa é destaque na Folha de Pernambuco:
“É a óbvia razão da vida…”.
E ao contrário da frase que finaliza o livro “O Fugitivo” (2019) escrito pelo médico
Antônio Coelho, 69 anos, que na página final descrevia o fator morte, nas
linhas que se seguem é o celebrar a sua própria existência que vai justificar
que a obviedade da vida pode ser também o ‘querer viver’, desejo que se
agiganta aos que, como ele, percorreu sofríveis dias enfrentando a pandemia do Novo
Coronavírus.
“Que felicidade voltar ao
convívio social tão salutar. Nesse período turbulento entre vida e morte,
busquei intensa e interiormente a quintessência da sabedoria: o amor Divino”, ressalta
o médico nascido em Ouricuri cuja dedicação à Medicina é exercida há pouco mais
de 30 anos aqui em Garanhuns, local a que ele chama de “Cidade adotiva”. 
Foi aqui na “Suíça Pernambucana”,
inclusive, que o Médico se dispôs a escrever o livro citado, cujo espaço lhe
serviu para inserir passagens de uma infância interiorana em meio a questões
sociais exaltadas no decorrer de sua profissão na saúde. 
“Como médico, sempre busquei a
compreensão do meu próximo e absorvo muito o sofrimento humano. ‘O Fugitivo’ me
insere muito em suas páginas”, complementa Antônio, sobre a obra lançada em
2019 na Bienal realizada em Garanhuns. “O Fugitivo” voltou à tona pelo desejo
do Médico e Escritor Antônio Coelho, enquanto esteve “do lado de lá” no
enfrentamento da doença.
“No período em que estive
internado, veio-me a vontade de fazer chegar aos mais necessitados de Ouricuri
e da minha cidade adotiva (Garanhuns), os lucros que porventura sejam auferidos
nas vendas dos exemplares deste livro”, confessa. Foi, portanto, somando o
apego Divino aos “bons costumes” da leitura e da música durante a fase que ele
descreve como “turbulenta entre vida e morte”, que Antônio Coelho empreendeu
forças e estabeleceu o seu próprio (re)começo. Agora de volta ao aconchego de
familiares e amigos, o Médico também voltou a pensar em uma nova obra, antes,
porém, “O Fugitivo” ainda deve ser relançado. (Com informações e imagens da
Folha de Pernambuco. CONFIRA)