w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | domingo, 23 de fevereiro de 2014

O juiz da 1ª Vara das
Execuções Penais de Pernambuco, Luiz Rocha, vai deferir o pedido do advogado
Plínio Nunes para que o ex-deputado e réu no processo do mensalão, Pedro Corrêa,
possa trabalhar como médico na Clinical Armando Q. Monteiro, entidade cuja
administração é ligada ao Prefeito de Garanhuns, Izaías Régis (PTB). Corrêa
está cumprindo pena em regime semiaberto na Penitenciária Agrícola de
Canhotinho e vêm fazendo um curso (por correspondência) de atualização em
Radiologia (sua especialidade).
O pedido dele já havia sido
deferido pela juíza da 3ª Vara das Execuções Penais de Caruaru, Orleide
Rosélia, que foi inclusive a Canhotinho conhecer as instalações da
penitenciária. 
No entanto, o ministro e
presidente do STF, Joaquim Barbosa, cassou a autorização sob o argumento de que
a competência para analisar o pedido não é da juíza de Caruaru e sim do juiz do
Recife, para quem ele encaminhou o réu quando autorizou a sua transferência
para Pernambuco.



SOCORRO NA PRISÃO – E o ex-deputado Pedro Corrêa (PP), que é
médico, socorreu recentemente o seu companheiro de cela na penitenciária de
Canhotinho, Zeca Omena, ex-prefeito de Altinho, cuja pressão arterial chegou a
22 x 16. “Tudo que eu tinha gastei na política e a única coisa que me sobrou
foi uma cela”, disse Omena com lágrima nos olhos, preso por causa de uma
licitação.
(Com Informações do
Jornalista Inaldo Sampaio)