w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | segunda-feira, 10 de junho de 2013


Cento e trinta aves silvestres foram apreendidas e 17
pessoas detidas, neste fim de semana, durante a operação Voo Livre, do
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).
Os municípios de Caruaru e Garanhuns foram os primeiros destinos visitados pela
equipe de fiscalização, formada por 12 agentes. Eles também recolheram 60
gaiolas, 40 armadilhas e dois viveiros.


A operação começou no sábado, dia 8, na feira livre da Ceaga. Setenta e oito
pássaros foram apreendidos e 11 pessoas detidas. Entre as espécies de aves
recolhidas estão canários-da-terra, tico-tico, galos-de-campina, papa-capins,
azulões e quatro curicas, animal ameaçado de extinção que lembra um papagaio
pequeno.


Já neste domingo, dia 9, a ação ocorreu em feiras e residências dos bairros do
Salgado e de Cohab 1, em Caruaru. Cinquenta e duas aves silvestres foram
recolhidas e seis pessoas, detidas. Entre os pássaros apreendidos, azulões,
galos-de-campina, tico-tico, canários-da-terra, papa-capins e manés-magos.

Os detidos foram levados para as delegacias de
plantão das respectivas cidades, onde assinaram um Termo Circunstanciado de
Ocorrência (TCO) por crime ambiental, que proíbe a venda de animal silvestre
sem autorização da autoridade competente. Eles também serão penalizados pelo
Ibama com multas de R$ 1.000 por pássaro apreendido. Todos foram liberados.

DENÚNCIA – De acordo
com o coordenador da Operação Voo Livre, Amaro Fernandes, os animais recolhidos
foram soltos, com exceção das curicas que, por serem muito jovens, serão
levadas para a sede do Ibama, no Recife. A partir desta segunda, dia 10, a
operação segue por outros municípios do interior. “Estamos visitando
cidades conhecidas pela existência de tráfico de faunas e feiras livres”,
afirmou o analista ambiental.

Denúncias de cárcere, venda e tráfico ilegal de aves silvestres podem ser
feitas por meio do telefone 0800-61-80-80. Os dados do denunciante são mantidos
em sigilo.