w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | quarta-feira, 15 de março de 2017

Pelo terceiro mês consecutivo,
Pernambuco registrou recorde histórico no número de homicídios. Em dezembro de
2016 e em janeiro deste
ano
, as estatísticas apontaram a maior quantidade de assassinatos já
registrada desde a criação do programa de segurança Pacto pela Vida, que
completa dez anos em maio. No mês de fevereiro, os resultados foram ainda
piores. Quase 500 homicídios em apenas 28 dias. Um resultado nunca visto desde
que o Governo de Pernambuco começou a contabilizar os dados, em 2006, para a
criação de um programa voltando à diminuição da violência no Estado.
As estatísticas de crimes
contra a vida, por Município, além de números de crimes contra o patrimônio e
de violência contra a mulher, foram detalhadas nesta quarta-feira, dia 15, pelo
secretário de Defesa Social, Angelo Gioia.
Nos dois primeiros meses do
ano, já foram registrados quase 1 mil assassinatos em Pernambuco. Em janeiro foram
480 mortes. Em fevereiro, 497. Um total de 977 homicídios. No mesmo período de
2016, foram contabilizadas 661 mortes. O aumento é de 47%. Uma triste
estatística que tem desafiado o Poder Executivo e assustado a população. Só no
último final de semana, foram contabilizadas pelo menos 66 mortes, segundo
levantamento da editoria de polícia da Rádio Jornal.
MUDANÇAS PARA DIMINUIR VIOLÊNCIA – Para tentar diminuir os
homicídios no Estado, a SDS criou um novo esquema para investigação de crimes
contra a vida. A partir de agora, não serão apenas as delegacias especializadas
em homicídios que vão apurar esse tipo de crime. Até a Delegacia de Polícia do
Meio Ambiente vai ser responsável por inquéritos de assassinatos.

As delegacias especializadas
em homicídios ficarão apenas com os casos mais complexos e registrados entre
2016 e 2017. Mortes relacionadas a crimes de proximidades (aqueles que envolvem
familiares, amigos, vizinhos) devem ser distribuídos para as delegacias dos
distritos (antes responsáveis apenas por investigar crimes como roubos, furtos
e outros delitos de menor gravidade). Já outras especializadas, como a
Delegacia do Idoso e a Delegacia do Meio Ambiente, vão receber inquéritos de
homicídios mais antigos e ainda não esclarecidos pela Polícia.
(Com informações do JC online. CONFIRA)