w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | segunda-feira, 16 de junho de 2014

A catadora de materiais recicláveis Rosângela Vitalino,
conhecida como dona Rosa, de 44 anos, ganhou no último sábado, dia 14, uma casa
construída por fieis da Igreja Adventista Sétimo Dia. O imóvel fica localizado
na Rua Serra Branca, 312, no bairro Magano, em Garanhuns.
Dona Rosa é divorciada e tem seis filhos, sendo três
crianças, um adolescente e dois adultos. A residência onde morava com os filhos
menores fica por trás da Rua Serra Branca e apresenta problemas estruturais. 
A situação de precariedade foi descoberta há um ano pelo
construtor Jaime Vicente ao fazer uma visita à família e encontrar dona Rosa
com sombrinhas armadas dentro de casa para proteger os filhos da chuva. Após a
visita, o construtor mobilizou os amigos da Igreja Adventista Central de
Garanhuns com a finalidade de conseguir recursos para melhorar as condições de
vida da moradora. 
De acordo com Jaime, a antiga casa tinha apenas três
metros de largura e não oferecia condições para uma reforma. Foi quando dona
Rosa encontrou um terreno maior e trocou pela antiga morada. O então
proprietário da terra permitiu que a família continuasse na casa, enquanto a
outra era construída, o que durou cerca de cinco meses. A obra também contou
com o apoio de fornecedores de materiais para construção que repassaram os
produtos a preço de custo. A nova residência tem sala, dois quartos, banheiro,
cozinha, área de serviço, piso de cerâmica e teto coberto por PVC.
Para dona Rosa, apesar das atuais oportunidades de
crédito que facilitam a compra da casa própria, o sonho de ter uma moradia
digna estava longe de se tornar realidade. A família sobrevive com a renda de
um programa social do governo federal e da venda de materiais recicláveis que
recolhe na rua. A esperança de realizar o sonho voltou à tona a partir da
mobilização da Igreja Adventista. “Era o meu sonho, mas eu achava que nunca
conseguir. Agradeço primeiramente a Jesus e as pessoas que me ajudaram”,
comenta dona Rosa. (ASCOM Igreja Adventista – Fernanda Beatriz)