w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | quinta-feira, 20 de setembro de 2018

A Polícia Civil de Pernambuco confirmou, nesta quinta-feira, dia 20,
que o ex-secretário estadual de
Administração Milton Coelho (PSB)
 foi indiciado pelo crime de
peculato, ou seja: desvio de dinheiro público. Ele é suspeito de envolvimento
num esquema de funcionários fantasmas na Secretaria Estadual de Administração.



De acordo com a delegada Patrícia Domingos, outras três pessoas, que
seriam funcionários fantasmas, foram indiciadas pelo mesmo Crime. “Todos os
quatro foram ouvidos durante as investigações, que comprovaram o crime durante
a gestão dele”, afirmou a Delegada. Milton Coelho foi secretário da pasta, no
governo Paulo Câmara, entre dezembro de 2015 e abril deste ano, quando deixou o
cargo para concorrer ao cargo de Deputado Federal. Milton Coelho já
foi presidente estadual do PSB e também vice-prefeito do Recife.


As investigações da Delegacia de Polícia de Crimes contra a
Administração e Serviços Públicos (Decasp) começaram no início deste ano. No
entanto, como Coelho tinha foro especial por prerrogativa de função, a 
delegada Patrícia Domingos solicitou
ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) autorização para dar continuidade
ao inquérito. Antes mesmo da decisão judicial, Ele pediu exoneração da
secretaria e perdeu o foro. Segundo o Código Penal Brasileiro, a pena para o
crime de peculato é de dois a 12 anos de prisão, além do pagamento de multa
arbitrada pela Justiça.

Em nota, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) confirmou que a
conclusão das investigações já está sob análise da Central de Inquéritos
da Capital. Disse ainda “que não pode repassar mais informações sobre o
procedimento criminal porque ele está classificado como sigiloso”.
OUTRAS INVESTIGAÇÕES – Gestores
do Governo do Estado tiveram os seus nomes envolvidos em várias investigações
no ano passado. Em novembro, a Polícia Federal de Pernambuco deflagrou a Operação Torrentes para
prender empresários e gestores da Secretaria da Casa Militar suspeitos de
desvio de verbas públicas destinadas às vítimas das enchentes na Mata Sul do
Estado em 2010 e 2017. O processo já está na Justiça Federal.

Em junho daquele ano, a Polícia Civil de Pernambuco concluiu as
investigações sobre um esquema de corrupção que supostamente
envolvia empresários de ônibus, o Batalhão de Polícia Rodoviária e um então
gestor do Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER-PE).
 Um
tenente-coronel do BPRv e um chefe de fiscalização do órgão foram indiciados
por corrupção passiva. (Com informações
do JC Online. C
ONFIRA)