w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | quinta-feira, 13 de julho de 2017

A professora e bióloga
Genicélia Cardoso Arcoverde, 30 anos, sobrevivente do desabamento que deixou
dois mortos no início da semana no bairro Aloísio Pinto, aqui em Garanhuns,
concedeu uma entrevista exclusiva à TV Jornal Interior, em que relatou tudo o
que passou na queda do edifício.


Genicélia e a filha, uma bebê
de menos de um mês, foram as únicas resgatadas com vida após o desabamento. Ela
conta que inicialmente ouviu um barulho, mas pensou que se tratava do barulho
de serviços de reforma: “O barulho parecia um terremoto”. Após
perceber que o prédio estava caindo, Genicélia disse que tentou chamar o
marido, mas não deu tempo. “Uma coisa eu tinha em mente, que eu jamais ia
soltar ela. E eu pensei: ‘Eu posso até morrer, mas talvez ela escape se eu
segurar ela'”, relatou.


Após o prédio desabar, Genicélia relata que ficou
deitada no chão com a criança, entre uma parede e um guarda-roupa, que segurava
a parede. Ela e a bebê foram encontradas e resgatadas. Genicélia sofreu apenas
um ferimento no braço e a criança não se machucou.



O marido dela e pai da bebê,
Antônio Arcoverde, 32 anos, foi soterrado pelos escombros e não resistiu.
“A vida do meu marido não volta, ele era uma pessoa muito querida por
todos que o conheciam”, lamentou. A outra vítima fatal foi o aposentado
Edval Soares da Silva, de 66 anos.

RELEMBRE O CASO – Um
dos três blocos de um conjunto habitacional caiu na última segunda-feira, dia
10, no bairro Aloísio Pinto, por volta das 6h. A queda do prédio deixou duas
vítimas fatais. Os outros dois blocos foram desocupados. O caso é investigado
pela Polícia Civil de Garanhuns. (Com
informações e imagens do
NE10 Interior. CONFIRA)

Clique em player para conferir a
entrevista de Genicélia Cardoso Arcoverde a TV Jornal Interior: