w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | domingo, 16 de março de 2014

“Claudomira Andrade,
36, nasceu em Garanhuns. Na infância viveu uma vida modesta, na Cohab I e com
apenas 9 anos sofreu uma grande tragédia familiar. Seu pai, conhecido como Cabo
Joaquim, foi assassinado numa rebelião na antiga cadeia pública da cidade, no
bairro Aluízio Pinto.
  
Dona Maria José, sua
mãe, ficou sem o companheiro amigo para ajudar a cuidar dos filhos.
Claudomira, porém,
era uma predestinada a superar as dificuldades e vencer. Estudou no Colégio
Henrique Dias, da Rede Estadual, foi bolsista no XV de Novembro, tradicional
educandário de Garanhuns e fez a Faculdade de Direito na FDG, da AESGA. É
formanda da primeira turma da instituição garanhuense.
Virou Doutora Claudomira.
 Uma guerreira, disposta a lutar pela causa da mulher e da família.
Há 16 anos a
garanhuense é casada com Ricardo, policial da Rocan, também formado em direito,
que atualmente auxilia a esposa no escritório de advocacia.
O casal tem três
filhos: Ingrid, Aquiles e Stephanie.
Antes de começarmos
a falar do trabalho social da doutora, uma informação que consideramos
importante: Ricardo é filho de João Capão, o incansável batalhador,
eletricista, encanador, que com o seu próprio esforço, sem a ajuda de nenhum
Governo construiu o Castelo que se transformou num dos principais pontos
turísticos de Garanhuns.
O policial fala com
orgulho do pai e lamenta que os diversos prefeitos que passaram pelo município
não tenham dado apoio a luta de João Capão.
Saiba mais sobre o Trabalho Social e as pretensões futuras da Doutora Claudomira, nesta ampla reportagem do jornalista Roberto Almeida. Clique em Mais Informações: 


TRABALHO SOCIAL  Desde quando era
mais jovem, ainda morando na Cohab I, Claudomira sentia a necessidade de
realizar um trabalho social, a vontade de ajudar o mais próximo. Ela confessa
que viu a pobreza de perto no bairro onde se criou e queria fazer alguma coisa
pelas pessoas carentes.
A atividade política
e o curso de direito foram consequências dessa ânsia de lutar pelo povo,
especialmente pelas mulheres.
Em 2012, sem
recursos, inexperiente na política partidária, foi candidata a vereadora
apoiando Izaías Régis para prefeito. Fez uma campanha franciscana gastando
pouco mais de 2 mil reais (teve gente que disputou o mandato e desembolsou
perto de 200 mil) e obteve nas urnas 826 votos.
Depois da campanha
foi as rádios de Garanhuns, agradeceu a votação recebida e disse que mesmo sem
mandato iria procurar fazer alguma coisa pela população do município. Aí foi
que começou a trabalhar.
Como advogada
começou a atuar defendendo os mais pobres e foi se conscientizando cada vez
mais da necessidade de atuar a favor da mulher, muitas vezes vítima de
violência doméstica por parte dos seus próprios companheiros.
Quando mataram a
pré-adolescente Joana Beatriz, uma jovem da periferia da cidade, Doutora
Claudomira esteve à frente da luta por justiça e foi uma das organizadoras da
Caminhada pela Paz, que levou uma verdadeira multidão as principais ruas de
Garanhuns. Posteriormente organizou uma outra caminhada, desta vez pela Vida.
Promoveu ainda a
Campanha do Natal Solidário, quando utilizou o Facebook como instrumento de
divulgação e obteve mais de mil compartilhamentos a sua mensagem. Foram
arrecadados mais de 5 mil toneladas de alimentos, distribuídos nas comunidades
carentes da cidade.
PALESTRAS – Do segundo semestre
do ano passado para cá Claudomira Andrade começou a fazer palestras. Foi
convidada inicialmente pela Coordenadoria da Mulher, que tem à frente a hoje
secretária Eliane Simões. A receptividade foi muito boa e aí a ativista social
não parou mais.
Já realizou dezenas
de palestras em Garanhuns, em locais como a Escola Silvino Almeida, em Manoel
Chéu, na AESGA, SENAC, 71 BI, 9º BPM e empresas privadas.

Na região falou para
moradores de Caetés, Capoeiras, Jupi, Paranatama e outras cidades. E já está
agendada para estar presente em Lagoa do Ouro, Lajedo, Bom Conselho, Canhotinho
e Jaboatão dos Guararapes.
Foi convidada até
para fazer uma palestra em Porto Velho, em Rondônia.
Como a descobriram
tão longe? Pela internet. A advogada usa muito o Facebook para divulgação do
seu trabalho e por isso hoje é conhecida em todo o Agreste Meridional, em
outras regiões de Pernambuco e em outros Estados.
E de que fala nesses
encontros, qual o seu segredo para agradar o público, que sai verdadeiramente
encantado após suas explanações?
Dra. Claudomira fala
dos direitos da mulher, discute a questão da violência doméstica, dá
explicações sobre a Lei Maria da Penha e faz uma defesa firme da família,
daquela que talvez seja a mais tradicional e antiga das instituições.
E nem só as mulheres
estão atentas as suas palavras. Os homens também estão interessados e
prestigiando as palestras. Foi assim em Belo Jardim, quando juntou em torno de
mil pessoas e muitos eram do sexo masculino. No 71 BI e no 9º o público era
majoritariamente formado por homens.
“Eu explico que a
Lei Maria da Penha não é contra os homens. Sustento que homem que é homem não
bate em mulher. Digo que a nossa luta é contra os agressores”, revelou a
advogada e defensora das causas da mulher e da família.
Por conta de sua
história de vida, das suas lutas na área social, da militância como advogada e
de sua votação como candidata a vereadora, surgiu no PRP, partido ao qual está
filiada, a possibilidade de Claudomira disputar um mandato de deputada federal este
ano.
Caso a doutora
resolva de vez enfrentar mais este desafio, fará dobradinha com Damásio, que
será candidato a deputado estadual. Os dois têm muita afinidade e inclusive são
evangélicos, ele da Assembleia de Deus e ela da Igreja Presbiteriana de Heliópolis.
Mas isso é para ser
resolvido depois, por enquanto a advogada está mais interessada em cumprir a
sua missão de proteger as mulheres e vai continuar fazendo palestras. Está com
a agenda cheia. Toda vez que vai a um local, quando termina de falar surgem
novos convites.
Por conta do
interesse da população em torno da Lei Maia da Penha, a doutora decidiu
elaborar uma cartilha com o seguinte tema: “Dra. Claudomira Ensina – Respeitar
a Mulher é Valorizar a Família”.
Serão 100 mil
exemplares distribuídos em Garanhuns e diversas cidades do Agreste e do Estado.
Para viabilizar este projeto ela está tendo o apoio do Centro Meridional de
Segurança, do empresário Mário B. Filho (Marinho do Pérola), da Bravo
Segurança, da Fadire (instituição de ensino a distância) e de outras empresas e
amigos.
Muitos em Garanhuns
já veem em Doutora Claudomira um fenômeno, admiram seu carisma e não duvidam
que ela vai longe em suas lutas. Modesta, ela evita o estrelismo e ao ser
questionada porque o povo fica tão “encantado” com suas palestras explica que
tem paixão pelo que faz, suas palavras saem do coração. “Acho que Jesus é que
me dá forças e me inspira”, constata a advogada

Claudomira
Andrade. É bom guardar este nome. É uma guerreira. E parece estar disposta a
representar Garanhuns em Brasília. Resgatando as lutas que foram de Cristina
Tavares no passado”. (Blog do Roberto Almeida – www.robertoalmeidacsc.blogspot.com.br)