w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | quarta-feira, 03 de outubro de 2018

O último debate do primeiro turno entre candidatos ao Governo do Estado
foi marcado menos por propostas e mais pelo debate sobre a corrupção, tema
tratado por todos os postulantes presentes ao encontro da TV Globo, inclusive
com acusações, na noite dessa terça-feira, dia 2.
O tema da corrupção veio à tona já no primeiro bloco, quando Armando
pediu a opinião de Dani Portela (PSOL) sobre a Operação Torrentes, que
investigou desvios de recursos para vítimas das enchentes na Casa Militar. “No
momento em que as pessoas mais precisavam, esse grupo fez corrupção com o
dinheiro. É algo inaceitável”, disparou o petebista, que citou a denúncia
contra pessoas “ligadas ao núcleo mais próximo do Governo”. Do lado de fora, a
militância do senador levantava cartazes com menção à Torrentes. (Saiba mais sobre a Operação Torrentes
clicando AQUI)

O assunto voltou no segundo bloco, quando Maurício Rands (PROS) cobrou
de Dani Portela propostas concretas para evitar a corrupção no Estado. Ele
prometeu aprovar uma lei para permitir que a sociedade civil possa questionar a
nomeação de gestores alvo de investigações. O tema foi retomado no terceiro
bloco, quando Armando Monteiro questionou Paulo não apenas sobre a Operação
Torrentes, mas também sobre as investigações em relação à Arena Pernambuco
(Saiba mais clicando AQUI) e sobre a delação
da JBS
(Clique AQUI para saber mais),
que atinge o próprio Governador. “Um daqueles diretores de Joesley (Batista, da
JBS) citou você nominalmente, dizendo que você recebeu propina”, disparou o Petebista.

Em reação, Paulo Câmara disse que Armando tenta enganar o eleitor
pernambucano, disse que tudo o que ele administrou “deu errado” e classificou o
Senador como “ministro do Desemprego”, ao lembrar sua atuação como ministro do
Desenvolvimento Econômico no segundo governo Dilma Rousseff (PT). 
Temas como a segurança pública, a reforma trabalhista e o desemprego
também foram usados para troca de críticas entre os Candidatos, assim como o
uso das imagens de Eduardo Campos e de Lula no guia eleitoral também deram margem
para a troca de farpas.
(Com informações
do JC Online. CONFIRA)