w="300" h="250">
BUSCA DE NOTÍCIAS 2021
BUSCA DE NOTÍCIAS DE 2013 A 2020
BLOG DO CARLOS EUGÊNIO | quinta-feira, 23 de junho de 2022

 

A cidadã Micheline Ramos e os demais moradores que residem na rua São Miguel, a antiga Rua do Corrente, mais precisamente no trecho da Rua Tomé Cavalcante, no bairro da Boa Vista, vem sendo prejudicados com o tráfego de Caminhões e Carretas que, por conta da altura das cargas ou do baú, danificam tampas de galerias e calçadas, além de derrubar os cabos de energia elétrica e de Internet.

 

 

 

“Já ficamos sem energia várias vezes, pois eles entram na Cidade, causam muito prejuízo aos moradores e depois vão embora. Os Motoristas dizem que não há sinalização e que o GPS  foi quem colocou eles na rota, mas os nossos prejuízos,  ninguém se responsabiliza”, relatou Micheline Ramos, em contato com o Blog do Carlos Eugênio.

 

 

Na última quinta-feira, dia 16, um caso semelhante ocorreu, deixando vários cidadãos sem o sinal da Internet, além de arrancar a cantoneira da ligação elétrica de uma residência. “O meu sogro chegou a passar alguns dias sem energia elétrica. Além disso, a fiação fica exposta, gerando risco de acidentes, que podem ser fatais”, alertou a Cidadã, registrando ainda que os caminhões e as carretas também trafegam pela rua Tomé Cavalcante e ficam enganchados, “já que a curva se torna estreita para o tamanho dos veículos”, fechando o trânsito e gerando muitos transtornos.

 

 

A POSIÇÃO DA AMSTT – Em contato com a AMSTT, o Órgão ressaltou que “os caminhões que acessam à Rua São Miguel, fazem de forma proibida pela sinalização, uma vez que na entrada da Rua há uma placa indicando que é proibido o tráfego de caminhões acima de 10 toneladas, com mais de 3 metros de altura e com mais de 2,40 metros de largura”. Para buscar solucionar o problema, a AMSTT garantiu que “irá reforçar a sinalização de proibição de tráfego de caminhões de grande porte nas vias que não comportam esse tipo de veículo e, havendo descumprimento da legislação, Agentes de Trânsito farão as devidas autuações”. Para acionar a AMSTT em casos dessa natureza ligue: 3762-3967 ou 3762-7097. (Blog do Carlos Eugênio – www.blogdocarloseugenio.com.br)